Campanha Salarial 2017: negociação garante direitos dos trabalhadores

O auditório do Sindicato dos Metalúrgicos recebeu a categoria na manhã deste domingo (12) para a realização da assembleia decisiva da Campanha Salarial 2017. No ato, que se iniciou com um minuto de silêncio em repúdio às novas leis trabalhistas, os trabalhadores aprovaram as propostas apresentadas por dois grupos:  Sindipeças (forjaria, parafusos e componentes de veículos ) e Fundição. O resultado foi de 1.8%, correspondente à reposição da inflação, e abono de 15%. 

Trabalhadores e trabalhadores deram uma grande demonstração de união e luta pelos direitos

Além da pauta salarial, a Convenção Coletiva de Trabalho – que foi o principal foco dos sindicalistas durante toda a campanha – teve todas as suas cláusulas renovadas e estão garantidas. “Mesmo enfrentando o momento mais difícil da nossa história, conseguimos, com muita luta e perseverança, defender as cláusulas sociais da Convenção Coletiva de Trabalho. E foi uma grande conquista, a integridade do trabalhador estará garantida em meio ao vigor das novas leis trabalhistas”, declarou Eliseu Silva Costa, presidente do Sindicato, na condução da assembleia. 

A novidade da Campanha Salarial foi a inclusão da cláusula de homologação na Convenção Coletiva. Ela garantirá ao trabalhador o direito de homologar a rescisão do Contrato de Trabalho diretamente na entidade sindical. “Entendemos que é um absurdo o trabalhador ter que ser homologado dentro da empresa. Em nossa entidade, por diversas vezes, tivemos que fazer correções em rescisões de companheiros. Agora o trabalhador pode ficar despreocupado, o nosso trabalho continuará sendo exercido normalmente”, garantiu Eliseu. 

À mesa, os diretores sindicais Wilson Ribeiro (Med), Eléscio Caldato, Luís Carlos de Oliveira (Lú), Natanael Onofre Matias (Caé) e José Carlos Cardoso (Mineiro) fizeram breves análises sobre as ações conduzidas nas portas das fábricas e criticaram as novas leis trabalhistas. 

A vice presidente do Sindicato, Rose Prado, conduziu uma dinâmica firmando o compromisso de luta da entidade sindical ao lado dos trabalhadores e trabalhadoras. “Estamos aqui de mãos entrelaçadas firmando um compromisso de união, resistência e luta pelos nossos direitos.” reforçou a vice presidente.