Sindicato mobiliza trabalhadores em Dia Nacional de Luta e convoca para assembleia geral

Durante todo o dia de hoje – 10 de novembro / Dia Nacional de Luta Contra a Perda dos Direitos – o Sindicato dos Metalúrgicos realizou diversas mobilizações nas portas das fábricas nas três cidades em que atua: Jundiaí, Várzea e Campo Limpo, e também esteve no ato em São Paulo, na Praça da Sé.

As mobilizações foram realizadas em sintonia com a Federação dos Metalúrgicos do Estado de São Paulo, Movimento Brasil Metalúrgico, junto às centrais sindicais, em protesto contra a reforma trabalhista – cujas novas leis passam a valer a partir desse mês, e também contra as articulações do Congresso para tentar aprovar a reforma da previdência.

“Estamos enfrentando um dos momentos mais difíceis da nossa história. Temos que entender que somente a luta manterá os direitos dos trabalhadores e melhores salários. Por conta disso tudo, é importante que cada companheiro marque presença na nossa assembleia da Campanha Salarial no próximo domingo,  dia 12, às 9h na Sede. É extremamente importante que o trabalhador participe dessas ações”, convocou o presidente do Sindicato, Eliseu Silva Costa.

No início da manhã, o Sindicato esteve na porta da empresa Elino mobilizando e conscientizando os trabalhadores sobre os efeitos nocivos da reforma trabalhista.

“Essa reforma trabalhista passa como um trator sobre o direito dos trabalhadores. Nós temos que nos unir para lutar”, disse o diretor executivo José Carlos Cardoso (Mineiro), acompanhado da vice-presidente Rose Prado,  do secretário-geral Natanael Onofre Matias (Caé) e do diretor de base Renato Bezzera da Costa.

Na Elino, assembleia também deu início às negociações para a PLR.

A assembleia também convocou para domingo, dia 12, as 9h, na sede, além de dar início às negociações para o PLR. “A empresa está indo bem e tem conseguido bons resultados, por isso queremos fazer uma negociação que garanta o pagamento do PLR”, comentou Mineiro. 

Ainda durante a manhã, o Sindicato marcou presença na empresa OKI. Além dos alertas aos impasses da Reforma Trabalhista, os sindicalistas também convocaram os trabalhadores para a assembléia de apreciação do resultado das negociações salariais.

A união entre os trabalhadores foi pautada pela vice presidente do Sindicato, Rose Prado. “No passado, muitos de nós que estamos aqui tivemos que lutar para garantir melhorias. Agora, a nossa luta deverá ser mais intensa por conta do momento que estamos vivendo. Se antes lutávamos por melhorias, hoje lutamos para não perder conquistamos”, afirmou. 

Na OKI, Lú falou sobre a importância da Convenção Coletiva de Trabalho

O diretor sindical, Luís Carlos de Oliveira (Lú), falou sobre a importância da Convenção Coletiva de Trabalho. O documento, que garante direitos além da CLT, está sendo o norte da Campanha Salarial. “Ao longo da história, os sindicatos sempre buscaram ir além dos direitos básicos da CLT, sacramentados na nossa Constituição de 1988, por meio da Convenção Coletiva. A nossa luta é para garantir esses direitos conquistados, não podemos permitir que um grupo de políticos latifundiários decidam as regras para nós”, disse Lú, dirigindo-se aos companheiros lado de Eliseu.  

Os diretores executivos José Carlos Cardoso (Mineiro), Natanael Onofre Matias (Caé), Wilson Ribeiro (Med) e os diretores de base Daniel Silva, Willian Pereira Reis, Ronaldo de Marchi. Leandro Reis e Renato Bezerra da Costa também participaram do ato.  

No início da tarde, a assembleia foi na KSB. Um dos assuntos discutidos foi a PLR e, em votação, os trabalhadores decidiram que vão se mobilizar caso a proposta da empresa não seja satisfatória. Os diretores sindicais falaram, ainda, sobre a Reforma Trabalhista e convocaram os trabalhadores para que participem da assembleia de apreciação da Campanha Salarial.

“A reforma abre precedentes para a diminuição dos direitos conquistados. A nossa Convenção Coletiva precisa ser defendida e, por essa razão, nós precisamos estar unidos”, disse Eléscio Caldato, diretor do Sindicato, acompanhado dos diretores executivos José Carlos Cardoso (Mineiro), Natanael Onofre Matias (Caé) e dos diretores de base Daniel Silva e Walmir Baldíbia (Juruna).

Assembleia na KSB definiu ações sobre a PLR

Na assembleia, trabalhadores da KSB tomaram decisões sobre a PLR

Na KSB, diretores falaram sobre a Reforma Trabalhista

A Assembleia Geral do próximo dia 12 foi lembrada na KSB

 

NA PRAÇA DA SÉ

O Sindicato também marcou presença no ato nacional realizado na Praça da Sé, onde ocorreu a concentração dos manifestantes. De lá, eles seguiram em caminhada até a Avenida Paulista.