Sindicato apresenta a peça teatral “As Rosas Falam”

Cena da violentada -Optimized

Clique na imagem a cima para fazer download em alta resolução

Clique na imagem a cima para fazer download em alta resolução

Clique na imagem a cima para fazer download em alta resolução

Para encerrar a comemoração do mês das mulheres, o Sindicato dos Metalúrgicos apresenta  neste sábado, dia 21, às 19h, a peça de teatro “As Rosas Falam”, do grupo Levante Mulher, no auditório da sede central, com entrada gratuita.

 

O espetáculo discute a relação de gênero, capitalismo e machismo presente no cotidiano da sociedade, fazendo referências ao processo histórico e cultural que reduziu as mulheres ao termo pejorativo de “sexo frágil”. “O espetáculo fala também da força para se erguer, transformar, romper com velhos paradigmas, mostrando que as ‘rosas’ falam e lutam!”, explica Miriam Selma, diretora da peça.

 

Ela conta que a ideia de fazer uma performance poética sobre a condição feminina na sociedade nasceu em 2012, quando houve o assassinato de uma jovem por seu namorado e o estupro coletivo de duas meninas de 12 e 13 anos, por 18 homens, na região do Butantã, em São Paulo. “Essas meninas participavam do Grupo Mito de Teatro. Como se vê, a violência contra as mulheres está em toda parte, bem perto de nós. Esses crimes foram o estopim para lançarmos a montagem de um espetáculo que trouxesse essa realidade à tona.”

 

Usando o teatro como instrumento de luta, nascia o projeto As Rosas Falam – Mulheres em Ação. “Sabemos que é necessário muito mais que um espetáculo para dar conta de tantas mazelas que sofremos em nosso cotidiano. Porém, lutamos para que a peça se torne mais um instrumento de informação, um aliado na transformação social e na luta contra toda forma de agressão contra nós mulheres”, reforça Miriam.

 

Para Rose Prado, diretora do Sindicato, ações como essa ajudam a conscientizar as mulheres de que é preciso se manterem unidas pela luta de novos direitos. “Nos preocupamos não só com as condições das mulheres dentro das fábricas, mas também fora delas. A mulher deve ser respeitada e ter o reconhecimento de seu trabalho e do seu valor perante a sociedade.”

 

 

Fotos/Crédito: Divulgação

administrador