Resistir para existir

NOVEMBRO, 2018 – Desde de 2016 a classe trabalhadora vem sofrendo com as decisões tomadas por um governo ilegítimo e golpista. Além dos aumentos no gás, na gasolina e nos alimentos, tivemos que amargar a chegada de uma lei trabalhista ameaçadora, que coloca todos os nossos direitos em um verdadeiro pau de arara.

Mesmo com todas essas dificuldades, a nossa categoria permanece resistindo. Em 2017 conseguimos a garantir a reposição da inflação. Nós queríamos muito mais, é óbvio, mas depositamos toda a nossa energia na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), que nos protegeu de todos os impasses da nova lei trabalhista. Agora, em 2018, a nossa luta permanece intensa nas fábricas e na mesa de negociação com os patronais.

Seguimos, incansavelmente, insistindo na defesa das nossas pautas e  mostrando para a sociedade a importância de um bom salário, de uma cesta básica, de uma PLR. Tudo isso faz diferença na vida do trabalhador e, consequentemente da sociedade. A nossa Negociação Coletiva está em curso e nós continuamos em busca de avanços.

Você, trabalhador metalúrgico, é uma peça muito importante neste momento. O próximo governo não sinaliza melhorias para nós, pois irão seguir com a lei trabalhista vigente e pior, pretende aprovar a Reforma da Previdência de Michel Temer. Para enfrentar tudo isso precisamos, primeiro, garantir o nosso progresso na Negociação Coletiva. Contamos com você!

Eliseu Silva Costa   

Sindicato dos Metalúrgicos de Jundiaí