Número de trabalhadores sindicalizados é o maior desde 2004

Carta Capital. 

Entre 2014 e 2015, o mercado de trabalho brasileiro perdeu 3,7 milhões de vagas. Ao mesmo tempo, o número de trabalhadores sindicalizados cresceu 11,4%. Em 2015, esse contingente somou 18,4 milhões de trabalhadores (19,5% do toal), 1,9 milhão a mais do que no ano anterior.

Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no suplemento da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Aspectos das relações de trabalho e sindicalização

A pesquisa foi publicada na mesma semana em que se discute da Câmara dos Deputados a reforma trabalhista que, dentre outras mudanças, propõe o fim do imposto sindical, um dos principais meios de financiamentos das entidades. 

Trabalhadores sindicalizados

Essa é a maior alta na proporção de sindicalizados no País desde 2004, início da série histórica na Pnad. Naquele ano, o número de associados era de 15,3 milhões. Como mostra o gráfico, o número de sindicalizados oscilou neste período, mas cresce desde 2014. Metade dos filiados (50,8%) afirmou que se sindicalizou por acreditar que a entidade defende os direitos do trabalhador. 

Para o presidente do Sindicato, Eliseu Silva Costa, a situação sociopolítica do país teve grande influência no aumento do contingente de sindicalizados. “Estamos passando por um momento de muitas crises, e isso reflete diretamente no cenário trabalhista. O trabalhador se sente desprotegido e com medo, pois prevê que todos os problemas da crise cairá nas costas dos menos favorecidos. Ele busca no sindicato a proteção contra todos esses impasses, e nós sindicalistas temos a obrigação de garantir a integridade jurídica e trabalhista desse companheiro”, disse. 

Dentre os trabalhadores não sindicalizados (80,9%), a maior parte (26,4%) desconhecia sua entidade de representação. Para outros 23,6%, pesou o fato do sindicato não ter os serviços que lhes interessavam.

Clique aqui e leia o estudo do IBGE na íntegra  

 

 


Compartilhe este post

0 Comments

    No comments!

    There are no comments yet, but you can be first to comment this article.

    Leave reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *